domingo, 23 de setembro de 2018

Como escolher o curso e a instituição de ensino certa?

Foto: Divulgação
Essa pergunta é difícil de ser respondida. O curso que você deveria fazer é aquele que você tem aptidão e, acima de tudo, prazer. O estudo em si delega tempo, precisar ler e escrever muito sobre o assunto. Além das centenas de trabalhos e seminários. Gostar do curso é meio caminho andando para se aprimorar e aprender.

A Universidade/faculdade exige muito do aluno, mas para alcançar bom desempenho, necessário para tentar um mestrado e doutorado depois (caso queira),  dependerá só de você, da sua paixão pelo estudo e do tempo que você se dedica. 

Você entra na universidade sozinho e sairá dela sozinho também. Mas gostar do curso não é o suficiente, por isso é preciso ter aptidão. Diante disso, eu resolvi dar algumas dicas que considero relevantes: 

Se você desde criança adora escrever histórias, esculpir, desenhar, criar coisas, contos, ama a leitura, ouvir as pessoas, com certeza sua área é de humanas.

Se você gosta de pesquisar,  do contato com a natureza,  cuidar da pessoas, fazer misturas de ingredientes e criar novas fórmulas, biológicas e a sua área. Ou algo ligado a gastronomia. 

Por sua vez, se adora ou tem facilidade com números e cálculos, computação, sua área é engenharia, design e tecnologia da informação.

Lógico, que tudo isso é suposição, é uma forma genérica de escolher o curso certo baseado nas matérias que mais gosta e possui disposição natural. No final das contas, você só terá certeza da escolha quando arriscar e estiver lá dentro vivenciando tudo de perto. 

Outra coisa IMPORTANTÍSSIMA é ler o currículo do curso das universidades/faculdades que deseja entrar. Muita gente se ilude com o curso. Acha que fará engenharia robótica e construirá um robô gigante, por exemplo. E não é isso. 

Procure ir na secretaria da universidade/faculdade que você quer entrar, entre em contato por telefone e converse com quem já se formou na área que você deseja, assim,  terá mais informações para constatar se realmente é o que você quer. Apesar do curso ser ofertado em várias faculdades/universidade sob o mesmo nome, as matérias oferecidas e a forma que a aula é ministrada são muito diferentes. Não tem uma grade universal. 

Fora que universidades, tendem a ter mais professores com doutorado e pós-doutorado. As faculdades particulares, na maioria das vezes, os professores só tem graduação, mestrado e/ou pós-graduação. E a formação do professor influencia nas aulas dada. Principalmente quando falamos de teoria. 

As instituições precisam ser credenciadas pelo Ministério da Educação (MEC) para o diploma ter validade. Fique atento e verifique a autenticidade e nota da faculdade. No caso do ensino técnico, a mesma coisa. Procure instituições populares e renomadas.  


São muitos os aspectos a ser levado em consideração. Ser feliz é o mais importante. Contudo, se você que está lendo este texto agora, for uma pessoa mais velha que já viu de tudo, está parte de "ser apenas feliz" muda um pouco.  Neste caso, é provável que você tenha mais certeza do que quer para o futuro, em razão da trajetória de vida. 

E,  óbvio,  a faculdade/universidade te ensinará tanta coisa e você conhecerá tanto, com certeza vai passar por muitas experiências boas como pesquisa cientifica, estágio,  empresa júnior, organizar e dar palestras,  monitoria...   

Por isso,  amar o que você vai estudar é importante e dessa forma você aproveitará todas as oportunidades que o curso e a instituição de ensino lhe oferecer, e assim  se tornar um profissional flexível e completo.

Escolher o curso de ensino superior ou técnico acaba se tornando estafante. Não deveria ser uma tarefa árdua. Se você tem dúvidas, pense mais e, em minha opinião, não deve ser considerada a escolha para uma vida inteira, o "para sempre" coloca um peso muito grande na decisão.

Se no meio do caminho houver um clique e quiser mudar, é possível alterar ou fazer transferência de um curso para outro e tentar aproveitar os créditos. Algumas universidades públicas fornecem uma modalidade chamada "reopção de curso", cujo propósito e proporcionar, através de uma prova, que o estudante troque de curso sem precisar encarar um novo vestibular. Não sei se tem isso ainda, mas antes tinha.

Além disso, existe uma enxurrada de testes vocacionais espalhados na internet. Não sei se são confiáveis, em razão disso não linkei nenhum aqui, mas se você quiser fazer tem um  monte por aí. Sei que algumas escolas oferecem estes testes (a maioria particular) e tem profissionais de  psicologia que aplicam o teste também. 

No entanto, não deixa de ser uma decisão pessoal. E você, realmente, não precisa de um teste vocacional. 

Não podemos ver o futuro numa bola de cristal, nem ler nas mãos, nem ter uma visão dele em sonho. Por isso, não podemos saber se o curso escolhido é o certo e se te dará algum retorno financeiro e sucesso garantido,como a maioria dos estudantes recém chegados na universidade/faculdade almejam. Sonhar não custa nada. É preciso arriscar e batalhar muito. Esta é só mais uma, das tantas escolhas e decisões que surgirão na sua vida. 


"Alice, você não deve viver a vida como as outras pessoas esperam que você viva. A escolha deve ser sua, porque quando você sair para enfrentar essa criatura, você vai sair sozinha" (Alice no Pias das Maravilhas, Lewis Carrol).

White Queen: Alice, you cannot live your life to please others. The choice must be yours, because when you step out to face that creature, you will step out alone.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Youtube

Facebook

Pinterest

Instagram