sábado, 3 de junho de 2017

Resenha do filme "Corra" (Get out) de Jordan Peele


O filme é um terror psicológico que tem o racismo como plano de fundo. Lembra muito o filme "O sono da morte" (resenha aqui) que tem adoção como tema e "Quando as luzes se apagam" que trata da loucura. 


O personagem principal é Chris Washington (Daniel Kaluuya) que possui uma vida estável, é fotografo profissional e reconhecido, mas não tem família. Ele namora Rose Armitage (Allison Willims), ela garante nunca ter namorado nenhum homem negro. O relacionamento apesar de recente parece ser  forte e, por isso, ela quer levá-lo para conhecer sua família. Rod Williams (Lil Rey Howery), o melhor amigo de Chris tem uma relação paternal com ele, não acha a ideia boa. 

Mal sabia Chris o que o aguardava. Chegando na casa da namorada, um lugar bonito e afastado da cidade, Chris conhece Missy e Dean Armitage, os pais de Rose e, seu irmão, Jeremy (Caleb Landry Jones). Eles possuem um negócio familiar. No final de semana, ocorre uma festa e muitas coisas suspeitas acontecem.

Imagem da internet
Imagem da internet
Apesar da familia frisar não ser racista, comentários feito por Dean (Bradley Whitford) e o fato de ter empregados negros e tratá-los mal, demostram o contrário. Isso incomoda Chris absurdamente. O suspense do filme é aprofundado por duas personagens, a Georgina (Betty Gabriel) a empregada quieta e com olhar perdido e Walter (Marcus Henderson), o jardineio bonito e assustadoramente sorridente. 

Na festa Chris conhece Andrew Logan King (Lakeith Stanfield) que acha que o conhece de algum lugar, mas estranhamente não consegue lembrar e desconfia ser resultado do episódio que acontece na noite anterior, depois da consulta com a Missy (Catherine Keener), que é psiquiatra. 




Chris sente que tem algo de errado, porém sua masculinidade, de homem negro, está com ego afagado, ele namora uma mulher branca. Já ouviram falar de palmitagem ou do fato de que namorar uma mulher banca atribui certo status a um homem negro que acha que poder ser bem visto pela ótica branca, conseguido transitar pelo mundo branco sem sofrer tanto com ataques raciais?! Este assunto é muito discutido e indico este texto aqui e este aqui

Chris é colocado em situações contrangedoras, numa cena ele é cercado por pessoas brancas que o questionam se afro-americanos tem mais vantagens ou desvantagens, como se ele realmente pudessem responder a verdade sem ser humilhado ali. 

Pessoas ricas, da alta sociedade, consideradas inteligentes tocavam nele como se ele fosse um produto, diziam frases estereotipadas e racista como "preto está na moda".
A princípio achei Rose seca, pensei até que atriz fosse ruim, só que mais para frente percebo que essa característica é da personagem.

Namorar um homem negro
Ter amigos negros
Gostar de hip hop
Ter Rihanna, Michael Jackson e Beyoncê como idolos
Gostar de Barack Obama
NÃO TE FAZ MENOS RACISTA

Rose, a namorada, é racista, mas preferi bancar a descolada e dizer que não é, e apontar o racismo dos outros. 

O que o filme promete ele cumpre. Uma releitura da escravidão e mostra como ela foi (ou é) asquerosa, desumana e trágica. "Porque com pessoas negras?" pergunta Chris e a resposta para ele é "Não sei". Achei este diálogo muito sensível e significativo. 

O segredo é revelado nos minutos finais do filme, a história é absurda, mas tanta coisa na nossa realidade é absurda que dependendo da perceptiva poderia ser real. 

Quem desvenda o mistério é Rod, e a policia não faz uma investigação descente apesar de ter vários desaparecidos. Casos com pessoas negras não são tratadas da mesma forma como com pessoas brancas. 

Lembrei de um episódio de "Todo mundo odeia o Chris", quando o Chris (Tyler James) e o Drew desaparecem (faltaram aula para ver um astro do hockey) e Rochelle liga para a policia e fala que seus dois filhos negros sumiram e a policia desliga; ela telefona novamente e diz que desapareceu dois garotos brancos... de pele escura, e a polícia imediatamente aparece na casa dela. 

Eu gostei MUITO do filme. 

Nota: 9,5

Diretor, produtor e escritor Jordan Peele

Produção: Jordan Peele, Jason Blum, Sean McKittrick, Ted Hamm
Produtoras: Blumhouse Productions, Monkeypaw Productions, QC Entertainment





O filme é dirigido por Jordan Peele e custou cerca de 5 milhões de dólares mais já lucrou mais de 170 milhões de bilheteria para a Universal Studios sendo Peele o primeiro diretor negro a alcançar  a marca de mais de 100 milhões. 

Para quem não sabe Jordan Peele é ator e comediante (comédia "Key and Peele", segunda imagem), sim comediante, e dá esse show neste filme de terror.


O longa tem notas altas nos principais sites de avaliação de filme como o Imdb: 7, 8 e Rotten Tomatoes:  99% aprovou o filme com 8,3.



Um comentário:

Youtube

Facebook

Pinterest

Instagram