domingo, 26 de março de 2017

Consumo consciente: Diferença entre usado x vintage


No mundo de bazar e brechó parece existir uma linha tênue entre usado e vintage, porém não há tantos motivos para dúvidas. O usado seriam peças (de roupa, sapato, acessórios e bolsa) que são atuais, dos anos 80 até hoje em dia. 

Muitas vezes estão na moda e o material pode ser nobre ou não, pode ser de algodão, poliéster, matelassê, poliuretano (da sigla PU, o famoso couro sintético) etc. Não é só a matéria-prima que define se é usado ou vintage, o ano de produção também é um fator determinante. A produção em larga escala (que pesquisadores chamam de terceira revolução industrial que culminou com a robótica e tecnologia) fez com que se preza-se mais pelo consumo de massa do que pela qualidade, digamos assim.

Daí chegamos na definição do vintage, peças da década de 20 até os anos 70, que duram até hoje, intactas, belas e cheias de histórias (muitas marcas não existem mais) e devido o valor sentimental, a raridade e material usado (peles de animais; madeiras, que hoje estão em extinção e proibidas de serem usadas como alguns jacarandás... - um problema para veganos) tornam elas mais caras.

Na teoria parece simples diferenciar usado do vintage, mas na prática é mais complicado pois precisa ter muita informação de moda para identificar peças vintages, a não ser que você vá a um brechó que faz esses "garimpos" (expressão que faz analogia a profissão de garimpeiro, que é usado pelas pessoas que procuram em montanhas de roupas e acessórios algo de qualidade)


Mas, você pode ter a sorte de encontrar peças raras e baratinhas em bazares. Como leiga nesse assunto moda, mas muito curiosa sobre história faço algumas descobertas e desenvolvo, através da pesquisa e observação, minhas próprias opiniões acerca da moda.

Beijos e até a próxima

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Youtube

Facebook

Pinterest

Instagram