sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Resenha de filme: Pelos olhos de Maisie (Whats Maisie Knew?)

*Não contém spoiler!!! Essa é a minha opinião sobre o filme. Como expliquei no início desse post, sou leiga nesse assunto. Mas, esse filme é tão lindinho que precisava registrá-lo no blog e dividir com vocês. Nota que dei ao filme no final do post.

O filme hoje retratado é baseado num livro de mesmo título, lançado em 1897, escrito por Henry James.  O longa metragem é do ano de 2012 e conta  a vida de uma garotinha pela visão dela mesma.  Acompanhamos a história contada literalmente pelos olhos de uma criança, a Maisie (interpretada por Onata Aprile) essa mini atriz é muito boa,  dá  muita da vontade de levar ela para casa (Aviso: o nível de fofura é muito elevado, cuidado).

Foto: Divulgação
Ela é  filha do empresário Beale (Steve Coogan) e da cantora de rock famosa, Susana, interpretada pela Julianne Moore, que está maravilhosa no papel (como sempre). Essa família é apresentada repleta de estereótipos: pai,  executivo,  ocupado demais para a família,  gosta de mulheres jovens e vantagens. A mãe é uma Rockstar,  famosa,  muito rica,  leva a vida com sexo e drogas.

E a Maisie,  uma garotinha de  apenas sete anos,  no meio de toda essa confusão. No entanto, mesmo sem entender o que se passa, ela sente que tem algo errado. E vive a dar poucos sorrisos.  Ama muito seus pais e tem de tudo... quase tudo. Quem cuida dela,  realmente, é a babá Margo (Joanna Vanderham), uma jovem bem sensível, doce e ingênua.  E vocês verão o porquê do "ingênua" no decorrer do filme.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação


Foto: Divulgação

Os pais de Maisie se separam e começam a brigar pela sua guarda, Casam-se com outras pessoas, mas tratam seus atuais cônjuges como empregados. No fim, descobrem o que é melhor para a pequena Maisie, sua mãe principalmente, que é quem parece ama - lá de verdade, porque seu pai... Com um final digno de ser final; surpreendente, daqueles que você quer uma continuação. Uma criança amadurecida e ainda sim, muito pequenininha para ser independente.

É  um filme  com uma fotografia linda,  com falas na hora certa. Sem frases desnecessárias colocadas à  toa. Os olhares entre os atores,  cenas,  pausas,  os figurinos (principalmente as roupas de Maisie, que demonstram certo descuido e praticidade dos pais) tudo muito bem calculado.

E te faz refletir sobre várias questões acerca de filhos e família: Será que todo mundo devia ter filhos? Será que estamos preparados MESMO para cuidar de uma criança? Realmente, não existe hora certa para constituir uma família? Não deveria ser necessária uma preparação antes? É muita responsabilidade, e envolve muito amor nisso, mais que dinheiro.

Vale a pena ver com toda a família.

Nota: 9,0.


Foto: Divulgação


Beijos e até a próxima!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Youtube

Facebook

Pinterest

Instagram